A vida continua

Batendo Bola 

José Carlos de Oliveira 

jcqueroviver@hotmail.com.br

Uma criança morreu para outra ganhar um novo coração e ter a oportunidade de seguir vivendo. Assim é a beleza (tristeza) da vida, o ciclo se renova a cada novo gesto de carinho. E mesmo assim são muitas as famílias que ainda não entenderam (nem entendem) a importância da doação de órgãos. Perde-se uma vida, sim, mas  outra recomeça.

 Tristeza e alegria 

A tristeza se abateu sobre a família cruzeirense, na semana passada, com a morte do garotinho Lucca, filho do goleiro Elisson, que teve sua morte confirmada na quinta-feira, mas já no dia seguinte outra família teve motivos para festejar.

É que Elisson e sua esposa autorizaram a doação dos órgãos do pequeno Lucca, e seu coração salvou a vida de uma criança de apenas 11 meses de idade.

O bebê nasceu com miocardiopatia dilatada, uma doença que faz o coração aumentar de tamanho, dificultando a função de fornecer sangue para o corpo. A criança, cujo nome não foi informado, pesa apenas 8,9kg e já está internada há quase dois meses. Ela recebeu o coração na sexta-feira, e agora começa uma nova etapa em sua vida.

MANGUEIRAS BRASIL

 Bugre tem início difícil

 A Federação Mineira de Futebol (FMF) divulgou ontem a tabela do Mineiro 2019; e o começo de torneio não foi nada favorável ao Guarani. Para começo de conversa, o alvirrubro já estreia contra um dos grandes da capital. Como campeão do Módulo II, o Bugre terá pela frente o vencedor do estadual deste ano, o Cruzeiro, em duelo que abre o Mineiro, no dia 19 de janeiro, numa tarde de sábado, no Farião.

 Dois fora 

E não é somente o confronto contra a Raposa a grande dificuldade para o Bugre. Na sequência, depois de enfrentar o time celeste, o Guarani joga fora de Divinópolis contra o Boa Esporte e o Villa Nova, e como refresco pouco é bobagem, o adversário da quinta rodada será outro favorito ao título, o Atlético, na Arena Independência.

E para dificultar um pouquinho mais a vida do alvirrubro, o último duelo da fase de classificação, quando poderá estar em jogo toda a trajetória do time na temporada do ano que vem, será contra o outro grande da capital, o América, em partida que será disputada também no Independência.

 A sequência 

A trajetória do Guarani está definida então, com cinco jogos no Farião - contra Cruzeiro, Caldense, Tupi, URT e Tombense – e seis partidas fora, frente o Boa Esporte, Villa Nova, Atlético, Patrocinense, Tupynambás e América.

 Sem lamentações

 Quem quer se dar bem no futebol, seja em que campeonato for, não pode escolher adversários e nem olhar as dificuldades da tabela. Tem que enfrentar a realidade e partir para a disputa confiante em seu próprio potencial, pronto para tudo que terá pela frente. Fazer de um limão uma limonada é o único caminho.

 O outro lado 

Tudo bem que enfrentar dificuldades logo de cara possa ser fator negativo, mas também pode ter seu lado positivo e determinante para a trajetória de um time na competição. Não dá para ninguém escolher quem quer enfrentar primeiro, tem é que encarar tudo que vier pela frente.

E mais 

Quando a tabela marca para as três última rodadas, dois jogos em casa (contra URT e Tombense) e o América fora, ela dá ao Guarani a oportunidade de decidir sua sorte na competição praticamente em seus domínios, porque convenhamos que jogar contra o América na capital é mil vezes melhor que ter pela frente um pequeno (num duelo que pode ser decisivo) no terreno do inimigo.

Comentários
×