A política no cinema

Maria Tereza Oliveira 

Com as eleições estadunidenses monopolizando as atenções e confundindo a cabeça de muitos e a aproximação do pleito municipal, a política tem tido mais destaque no cenário brasileiro nos últimos dias. O assunto é espinhoso e muitas vezes se torna o estopim de brigas e até fim de amizades. Por isso, muitas pessoas preferem não comentar sobre e até mesmo dizem "odiar política". A indústria audiovisual, por outro lado, vê na política e nas polêmicas e conflitos causados pelo o assunto uma fonte eficiente para contar histórias.

Por isso, não são raras produções a dramatizar, documentar ou mesmo inventar tramas que se passam no mundo político. Pegando embalo na popularidade atual do tema, esta coluna tem como intuito indicar algumas obras sobre política para você maratonar e, quem sabe, de alguma forma ajudar a decidir em quais candidatos votar. Afinal, a 7ª arte é um retrato da sociedade. Podemos aprender e refletir sobre situações de nossas vidas a partir do que assistimos. 

Documentários

É claro que a política é muito bem representada pelo gênero documentário. O frenesi de campanhas, quedas de governos e escândalos de corrupção costumam render ótimas produções. E, neste ponto, o cinema nacional brilha.

Um exemplo recente é o documentário indicado ao Oscar "Democracia em Vertigem" (2019). O filme acompanha o declínio do Governo Dilma (PT) e a ascensão de Jair Bolsonaro (sem partido) à Presidência. O longa divide opiniões no Brasil, dependendo do viés ideológico de quem o assiste. No entanto, o trabalho de Petra Costa é inegavelmente bem feito e vale a pena ser conferido. 

Outro documentário que fala sobre política é "A 13ª Emenda" (2016). A obra estadunidense mostra as consequências da escravidão nos EUA. Mesmo após a abolição da escravatura em 1863, afroamericanos continuam sofrendo com o racismo. Isso se torna mais acentuado quando lembramos dos tempos de segregação racial naquele país. Ainda hoje, a sociedade estadunidense se vê em um sistema de criminalização e prisão de negros, além de ter de lidar com a brutalidade policial. Isso resulta em um sistema carcerário desumano. E é sobre isso que o documentário fala, ao passo que mostra o então candidato à Presidência Donald Trump e o posicionamento de parte de seus apoiadores em relação à comunidade negra. O longa é muito interessante, sobretudo, com os recentes protestos #BlackLivesMatter e #VidasNegrasImportam, e traz um contexto sobre a opressão sofrida por negros na sociedade.

"Entreatos" (2004) mostra os bastidores da campanha eleitoral do ex-presidente Lula (PT) de 2002. Essa foi a quarta tentativa de Lula e a primeira bem-sucedida foi reeleito em 2006, ele ainda tentou disputar o posto em 2018, mas foi judicialmente impedido.

Ficção

Mas nem só de documentários vive a política na 7ª arte. Várias séries e filmes também se inspiram neste tema para contar histórias.

Este é o caso de "House of Cards" (2013-2018), primeira série original da Netflix. A trama acompanha Frank Underwood (Kevin Spacey), um político estadunidense sem escrúpulos que tem como objetivo chegar à Presidência e sua esposa, Claire Underwood (Robin Wright), e parceira nos esquemas. A obra teve uma ótima recepção no início, porém, pouco antes de sua temporada final, com o escândalo envolvendo Kevin Spacey acusado de assediar diversos homens , tudo mudou. A falta de seu protagonista original e roteiro aquém das temporadas anteriores resultou numa season finale com impressões ruins para a crítica e público. Ainda assim, é uma ótima pedida e, apesar de fictícia, diversas vezes se assemelha com as tramoias políticas reais.

"Veep" (2012-2019) é uma série com uma premissa parecida com House Of Cards, porém, com a abordagem totalmente oposta. A sitcom conta a história de uma vice-presidente dos Estados Unidos, Selina Meyer (Julia Louis-Dreyfus), que quer se manter no cargo. A performance de Julia na pele de Selina é uma das melhores em comédias. Por isso, a atriz conseguiu o impressionante feito de ter sido indicada ao Emmy em todas as temporadas da série e só não ter levado o prêmio uma vez.

"O Mecanismo" (2018-2019) é uma série brasileira que, embora fictícia, se inspira na Operação Lava Jato. A série é produzida e dirigida pelo cineasta José Padilha. Ela conta a história de Marco Ruffo (Selton Melo), um agente da Polícia Federal que descobre um esquema de desvio e lavagem de dinheiro.

Os fatos

Às vezes os acontecimentos e personagens são tão poderosos, que filmes/séries se baseiam neles. Um dos acontecimentos mais cinematográficos da política é o assassinato do presidente estadunidense John F. Kennedy, por exemplo.

Uma obra que se inspira no fato é "Jackie" (2016). Apesar de destacar o acontecimento, o longa acompanha Jacqueline Kennedy (Natalie Portman), esposa de JFK. Após a inesperada morte de seu marido, Jackie precisa lidar com o luto e todas as consequências envolvendo a morte do então presidente, assassinado por um disparo enquanto circulava no automóvel presidencial.

"Todos os Homens do Presidente" (1972) talvez seja o mais emblemático filme baseado em fatos políticos. O longa conta a história do caso de Watergate quando repórteres do Washington Post revelaram a tentativa do Partido Republicano de fotografar documentos e instalar aparelhos de escuta no escritório do Partido Democrata durante campanha presidencial. O caso resultou na renúncia do presidente republicano, Richard Nixon, que estava diretamente envolvido no esquema criminoso. O filme foi protagonizado por Robert Redford e Dustin Hoffman, que interpretaram os repórteres Bob Woodward e Carl Bernstein, respectivamente.

Bônus

Além desses, existem diversas outras obras envolvendo política e políticos. Porém o mais inusitado é sem dúvidas "Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros" (2012). Isso mesmo! Existe um filme que retrata um ex-presidente dos Estados Unidos como um caçador de criaturas míticas. Eu não indico esse filme pela qualidade, mas pela aleatoriedade da proposta.

Maria Tereza Oliveira é jornalista e apaixonada por cinema

mariatereza.oliveira255@gmail.com

Comentários
×