A política e as redes sociais

Alexandra Galvão 

Finalizei a coluna da semana passada com a frase: “A crise financeira dos municípios deverá reaquecer a agenda de reformas administrativas”. Tema importante e necessária a discussão. Para a minha surpresa, os comentários foram intensos. Aliás, muito intensos, no volume e na polarização. Muitos se manifestaram favoráveis e, na mesma proporção, muitos se manifestaram contrários. 

O que chama a atenção é o nível de emoção que domina a discussão e o campo fértil para estes debates que é o território sem fronteiras das redes sociais. E é nesse cenário, desse novo tempo, que vivenciamos um pleito eleitoral. Seguindo o propósito da coluna, convidei os pensadores para compartilhar desse tema.

Interagindo com ideias I

As redes sociais trouxeram a possibilidade de pessoas pouco influentes e conhecidas se tornarem populares e até famosas, atingindo grandes patamares e, muitas das vezes, tudo isso com baixos custos.

Acredito que hoje em dia acompanhamos mais os candidatos ‒ pelas redes sociais ‒, do que no passado, sem elas.

Todavia, nas redes sociais todos temos direitos de expressar nossa opinião, e falamos do nosso jeito e do nosso ponto de vista. Desta forma, temos que tomar o cuidado de entender as propostas e verificar o fundamento do que está sendo proposto pelos candidatos. 

Os concorrentes também devem ser cautelosos em suas propostas e publicações, pois, no futuro, caso eleito, toda a sua campanha compartilhada em redes sociais estará disponível como prova do que foi proposto. Assim, acredito que da mesma forma que as redes sociais estão a favor dos candidatos elas podem ser usada para fiscalizar se suas propostas estão sendo cumpridas, bem como serem responsabilizados pelas postagens e denúncias infundadas, caso ocorram.

Acredito que as redes sociais estão deixando a disputa pelos cargos mais equilibrada, e nós, enquanto cidadãos, temos mais responsabilidades, pois, nas mesmas redes sociais, temos muitas informações sobre a vida de nossos candidatos para podermos avaliar melhor nossa escolha.

O futuro de Divinópolis dependerá de nossas escolhas!

                                                                        Kildare Araujo Morato - Empreendedor e Palestrante

Interagindo com ideias II

Política, do grego, é aquilo que está relacionado aos integrantes da pólis e suas interações. A organização da sociedade depende dos relacionamentos ali existentes, como as pessoas se comportam umas com as outras, quais estruturas de poder estão colocadas e, principalmente, como a comunicação influencia neste poder.

Há quem diga que fazer política é a arte de falar sobre a mesma coisa de formas diferentes para públicos diferentes, para convencer todos eles e transitar em todos os ambientes. E não há muito como não concordar... Afinal, estamos acostumados a ver exatamente isso acontecer dia após dia, principalmente em época de eleição.

De alguns anos pra cá, surgiu um novo fator que mexeu com toda essa estrutura e revolucionou o relacionamento entre entes políticos e a sociedade em geral. As redes sociais chegaram e em pouco tempo tomaram uma força incrível, direcionando pautas importantes e até mesmo destituindo e elegendo presidentes.

Se política é interação social, as redes sociais são hoje a expressão mais direta que temos desse fenômeno, e é por isso mesmo que precisamos ter cuidado. A ferramenta que pode ser excelente e trazer expressivos resultados para o desenvolvimento da população também é utilizada para disseminar notícias falsas e até mesmo causar problemas como os julgamentos e cancelamentos que são tão prejudiciais à vida em sociedade.

Possamos, então, utilizar as ferramentas que temos à disposição para a busca do desenvolvimento e melhoria de vida dos nossos, mas com responsabilidade e principalmente o cuidado de não abrir mão de sua própria consciência e deixar que outros pensem por nós, pois política sem senso crítico nada mais é que manipulação.

                                                                                                                       Flávio Zica

Interagindo com ideias III

As redes sociais aproximaram a sociedade da política. É claro que essa aproximação, assim como toda aproximação humana, inicialmente gera conflitos, desconfortos e as pessoas muitas vezes cometem erros.

Mas isso é só um processo de amadurecimento. Veja como em pouco tempo de vida on-line as pessoas já melhoraram as suas relações em grupos, que inicialmente causavam conflitos e hoje já são muito mais harmoniosos.

A tecnologia está trazendo, na medida da evolução de seus usuários, uma nova realidade muito mais dinâmica, participativa e clara.

Marcus Vinicius Batista  - Sindimoveis Regional Centro Oeste - OSB Divinopolis

 

Voto Consciente 

É preciso trazer o tema política à discussão para exercemos nossa cidadania. O momento de elegermos nossos representantes, como acontecerá em 15 de novembro, é a oportunidade que temos de dar poder a quem de fato possa fazer valer o voto de confiança que outorgamos àqueles que vão gerir nosso município. Exercer a cidadania é querer que a cidade se desenvolva, que tenha educação para nossos filhos, que tenha emprego, que as pessoas possam viver com dignidade. 

Nosso desafio é fazer com que esse campo fértil digital seja efetivamente uma união de vozes na promoção da democracia e da coletividade.

 

Comentários
×