A moda

Amnysinho Rachid

Desde que o hom em inventou a veste para se proteger do frio, dos animais e de tudo mais que fosse necessário, nunca mais paramos de inventar, criar, imitar, reinventar, enfim, modelar. Mas temos que levar em conta que grandes invenções vieram para ficar enquanto muitas passam na mesma rapidez que chegam.

Quando pensamos nos tempos antigos, notamos que evoluímos muito no quesito vestuário, a cada dia aparecem mais roupas tecnologicamente corretas com tecidos desenvolvidos com baixo impacto para o meio ambiente. Mas hoje notamos a grande invasão das roupas “made in China”, com poucos tecidos, descartáveis e com custo muito baixo.

Nossa terra tem fama de ser a capital do vestuário, temos grandes fábricas de roupas e notamos que nossas mulheres no geral sempre se vestem na moda pela facilidade, qualidade e bons preços, apesar de muitas terem encerrados suas atividades e virado vendedoras de roupas chinesas. 

Mas, quando voltamos no tempo, notamos que antigamente o homem era mais elegante, veja pelas fotos que todos eram mais magros, acredito que pela alimentação mais saudável. Refrigerante era só nos fins de semana, aliás, no almoço de domingo era só um copo, a famosa Coca-Cola família. Doces eram caseiros e toda a alimentação era feita em casa.

Lembro-me dos homens irem à loja do meu tio Adib, a Casa Orion, e saírem de lá com a roupa completa. A maioria de linho, calças bem cortadas, camisas e paletó com o caimento perfeito, belas gravatas que completavam o modelo. Era normal encontrar com a maioria dos homens com roupas limpas e bem passadas, até com friso.

Hoje a moda ficou esculachada. Encontramos com jovens, “os bundas caídas”, como diz meu primo Gilberto Rachid, uma coisa grotesca, difícil de entender, a cueca aparecendo e a calça quase no chão. Horroroso.

Saudade do tempo em que nos arrumávamos para ver Deus, ir ao cinema, dar uma volta com a namorada, sair “na estica” e ser elogiado por isso. 

Lembro muito da minha avó dizer: “Homem não tem que ser bonito, tem que ser limpinho, cheiroso e saber vestir”.

Lembro até de um homem aqui na terrinha que ficou famoso, o Guarda-Roupa. Dizem que vinha de uma família rica e que, após ser traído pela sua grande paixão, pirou. Dizem que era muito inteligente e passou a viver numa pensão, vendia bilhete de loteria. Contam que um dia foi roubado nessa pensão e levaram todas as suas roupas. A partir daquele dia, ele começou a usar todas as suas roupas de uma única vez, ficando com o apelido de Guarda-Roupa. 

Que a moda sempre venha com inovações, mas sem perder a elegância dos tempos antigos, bons exemplos devem ser preservados.

E nós continuamos aqui, na TOK EMPREENDIMENTOS, elegantemente fazendo bons negócios. Rua Cristal, 120, Centro.    

rachidmendes@hotmail.com

Comentários
×