A moda voltou

BLOCO DE MODA

Wagner Penna

 

A moda voltou

 

A frase dita por um expert no assunto fashion, afirmando que “a moda voltou”, foi exclamada após divulgação das imagens do desfile da marca Balenciaga – na semana passada, em Paris. Depois de 53 anos sem desfilar, o estilo criativo, sofisticado e precioso cultivado pelo estilista espanhol Cristóbal Balenciaga (radicado na França até sua morte, em 1972) voltou a ser mostrado na Semana de Alta-Costura francesa.

Nesta volta, os donos da marca buscaram o estilista georgiano Demna Gvasalia (que revolucionou a moda atual com sua marca Vetements, em modelos superlargos) para imprimir um toque moderno ao DNA criativo da marca de luxo. Felizmente, para quem gosta de moda em sua tradução mais profunda e autêntica, a parceria deu certo.

A conexão entre passado e presente foi dada pelo décor do antigo atelier de Balenciaga, que foi recriado para o desfile, e pelo formato do vaivém na passarela em moldes antigos – isto é, apenas para um público restrito e com as manequins segurando o número do modelo que vestiam.

O resultado foi: peças em construção arquitetônica (dificílima) ou fluidez glamurosa, mas sempre com amplitude e, às vezes, com generosidade de tecidos preciosos. Combinadas com chapéus magistralmente construídos, realmente criaram um momento nostálgico, mas também sinalizador sobre os novos caminhos da moda. 

Esse caminho é exatamente o contrário ao da fast-fashion (modinha rápida), cujo consumo parece condenado na pós-pandemia, e que remete à deferência ao que é bem feito e referência para quem gosta de estilo & qualidade.

 

VAIVÉM

 

  • O inverno mais frio neste ano está fazendo a festa da moda. Pelo menos para quem se preparou para as temperaturas baixas. No circuito das lojas maiores, algumas peças já sumiram das araras. Mas quem está vendendo mesmo são os brechós, impulsionados pela conscientização sobre o reuso de peças e um certo glamour nas peças vintage. Até as regiões tradicionais mais quentes do país estão sofrendo com “geadas” de 16 a 18 graus. Daí...



  • A turma da moda está mais animada, depois que os indicadores assinalaram um certo aumento de vendas a partir de abril. Embora discreto. O impulso já faz muitos pensarem em normalização total de produção + vendas a partir de setembro. E mais: acreditam nas feiras realizadas de forma presencial já no início de 2022. A primeira delas seria a Couromoda, em São Paulo, janeiro.

 

PONTO FINAL.

 

 Com o setor de moda & afins (acessórios, cosméticos etc.) liderando as vendas do e-commerce nacional, é justo a preocupação com o assunto. O fato é que alguns marketplaces afirmam em sua propaganda serem os mais rápidos na entrega – sem comprovação. Pois, agora, o Conar (que regular a publicidade brasileira) exigiu que três deles só afirmem isso após publicarem pesquisa comprovando o que dizem. Uma boa medida.

 

Foto: Divulgação

 

LEGENDA / Balenciaga: resgate da alta-costura

Comentários
×