A difícil tarefa do Levir

Batendo Bola 

José Carlos de Oliveira

 jcqueroviver@hotmail.com.br

 O ano caminha para o seu final e a torcida atleticana nada tem para festejar neste fim de temporada. Mais uma vez, o sonho de título do Brasileirão fica pelo caminho, é adiado para o ano seguinte, frustrando a todos na Cidade do Galo. Mas o pior de tudo é saber que a história tinha tudo para ser diferente.

Queda de produção 

É inegável que no returno o time alvinegro caiu assustadoramente de produção e isto tinha que refletir nos números. De melhor ataque da Série A por rodadas seguidas, os atacantes deixaram de contribuir com seus gols, e o resultado teria mesmo que ser o que se vê agora.

Continuar sonhando 

Mas nada pode abalar o direito da Massa de sonhar. Agora, quando muitos tentam encontrar culpados, a hora é de colocar a cabeça no lugar e seguir em frente. O Galo – dos dirigentes aos jogadores - tem mais é que juntar os cacos para salvar o que ainda resta, e crer acima de qualquer coisa que a classificação para a Copa Libertadores 2019 está ao alcance do time, está nas mãos e pés dos próprios jogadores.

Efeito Levir 

E o futuro alvinegro neste restante de ano passa pelas mãos de alguém que tem enorme identificação com o clube: o técnico Levir Culpi. Mas que ele não se engane quanto ao que o espera nas próximas semanas, pois o trabalho será árduo e reacender a esperança dos torcedores é o único caminho possível para todos no clube.

MANGUEIRAS BRASIL 

Briga boa no ataque azul

 O Cruzeiro encerra a temporada com quatro centroavantes à disposição do técnico Mano Menezes – Hernán Barcos, Fred, Sassá e o garoto Raniel – e o treinador terá que cuidar de fazer o certo para não perder nenhum deles pelo caminho. Qualquer decisão que venha a tomar agora terá reflexos num futuro não muito distante. Mano terá que levar em conta o que ele pretende para o time na próxima temporada para fazer suas escolhas.

Com o Mano 

Ninguém questiona a dificuldade que será para o comandante – ficando com todos eles na Toca da Raposa – porque qualquer que seja sua escolha para determinados jogos, sempre haverá questionamentos de toda parte. Mas é para isto que ele (Mano Menezes) é pago: para fazer as escolhas certas quando necessário.

 Correr riscos

 O que a diretoria, o treinador e os próprios jogadores pretendem para 2019, é o que irá determinar sobre quem fica e quem sai. Para sonhar alto há que se correr riscos, e o técnico Mano Menezes, mais que qualquer outra pessoa, sabe muito bem disso.

 América na corda bamba 

É, o sonho de um ano menos dramático para a torcida do Coelho já foi para o espaço. O fantasma do rebaixamento volta a assombrar a todos no clube, e muito terá que ser feito para evitar o pior. A tarefa ainda está nas mãos dos próprios americanos, mas a reação não pode mais ser adiada. Terá que vir já na próxima rodada.

 Jogo de seis pontos 

O duelo do próximo sábado, às 19h, na Arena Condá, em Santa Catarina, ganhou uma nova dimensão para os americanos, principalmente depois dos resultados do fim de semana. O confronto mais que valer seis pontos, pode significar a sobrevida do Coelho no campeonato, e tudo que o técnico Adilson Batista precisa hoje é de um pouco e paz para trabalhar.

 Difícil, mas... 

A situação do América na tabela está sim complicada e isto ninguém pode negar. E só não é pior porque os resultados do fim de semana deram uma contribuição, pois do contrário já seria o inferno.

Mas, hoje, o América ainda depende dele mesmo para evitar o rebaixamento e é com isso que todos devem contar: com seu próprio trabalho e esforço. É difícil sim, mas...

 ...não impossível 

E são os números que ainda jogam a favor dos americanos, apesar dos pesares. Na 15ª posição na tabela, o Coelho ainda está três pontos à frente do primeiro time na zona de rebaixamento – tem 34, contra 31 do Ceará. E tem mais: o Coelho está a apenas dois pontos do Corinthians, que é o 12º, e com uma vitória no fim de semana pode mudar todo o quadro.

Comentários
×