13º salário pode aquecer o comércio

Jorge Guimarães

Com a chegada do fim de ano, muitos trabalhadores já começam a planejar as festas natalinas, pois, com ele, chega um dos momentos mais aguardados: o de receber o 13º salário. E quem está de olho neste dinheiro extra é o comércio que, além das promoções da Black Friday, marcada para 29 de novembro, já planeja outras estratégias para conquistar os consumidores neste fim de ano. Mas os lojistas não estão somente pensando nas vendas, pois sabem que muitos que vão quitar suas dívidas o farão diretamente com o comércio, o que também é uma forma de ganho para o empresário.  

13º

Segundo as leis trabalhistas, a 1ª parcela do 13º salário deve ser paga entre fevereiro e o último dia útil deste mês de novembro e, normalmente, vem junto ao pagamento das férias retiradas neste período. Já a 2ª parcela deve ser paga, impreterivelmente, até o dia 20 de dezembro.

Expectativa

Em estudo realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), foi apurado que o 13º salário deste ano vai injetar na economia do Estado aproximadamente R$ 19,3 bilhões. Em todo o país, a previsão é que o benefício some R$ 214 bilhões, o correspondente a 3% do Produto Interno Bruto (PIB).

Aplicação  

Mas todo cuidado é pouco nessa hora de muitas festas e fartura, pois a alegria de agora pode se tornar a dor de cabeça de amanhã, não só para o consumidor, mas também para o comerciante. Para o economista Célio Tavares, o melhor a se fazer é quitar as dívidas.

— Para aqueles que estão endividados, esta é a melhor opção. E mesmo para quem tem prestações a vencer, a melhor maneira é negociá-las para poder tirar os juros embutidos. Assim, estaria ganhando um bom desconto — aconselha Célio.

Comentários
×