“Tem de deixar a vaidade de lado e fiscalizar”, diz vereador de Divinópolis

Maria Tereza Oliveira

Janeiro mal acabou e, mesmo com os acontecimentos intensos que marcaram o mês, certos aspectos da política têm pontapé inicial em fevereiro. Ontem, os deputados estaduais foram empossados e na próxima terça, 5, as reuniões da Câmara Municipal estão de volta cheias de novidade.

Na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), Divinópolis conta com um representante: Cleitinho Azevedo (PPS).

Em contrapartida, a Câmara ganhou um novo rosto entre os vereadores. Matheus Costa (PPS) substitui Cleitinho.

Mudanças

Além de um rosto diferente entre os 17 vereadores, a Câmara conta com uma nova mesa diretora e, mesmo antes de as reuniões começarem, mudanças aconteceram na Casa.

Empossada no último dia de 2018, a mesa é formada por Rodrigo Kaboja (PSD), Marcos Vinícius (Pros), Renato Ferreira (PSDB) e Nego do Buritis (PEN), presidente, vice-presidente, 1º secretário e 2º secretário, respectivamente.

A primeira alteração que chamou a atenção foi a mudança no horário de funcionamento da Casa Legislativa. Desde o início do ano, o atendimento externo foi reduzido para seis horas diárias, sendo das 12h às 18h, de segunda a sexta-feira. O horário irá se manter, no mínimo, até o dia 30 de junho.

A decisão foi polêmica, pois ela é o contrário do que fez o ex-presidente da Casa, Adair Otaviano (MDB), que, durante a prestação de contas de 2018, relembrou com orgulho que foi no seu mandato que a Câmara passou a funcionar dez horas diariamente.

Outra mudança que deu o que falar foi a portaria que autoriza toda a mesa diretora a utilizar um carro no Poder Legislativo.

Além disso, o novo vereador, Matheus Costa, também é uma mudança no quadro do Legislativo da cidade. O novo integrante foi assunto muito comentado pela população.

Todas essas novidades aconteceram antes de as reuniões da Câmara retornarem.

O que esperar?

O Agora ouviu alguns vereadores para saber as expectativas deles em relação ao Legislativo divinopolitano.

Roger Viegas (Pros) disse que, apesar de a atual Legislatura ter ideias distintas, cada vereador precisa entender seu papel.

— Tem de deixar a vaidade de lado e fiscalizar, que é a primeira função do vereador. Com isso, sobra mais dinheiro e, consequentemente, dá para atender às reivindicações dos bairros — reforçou.

Roger disse que alguns colegas se preocupam apenas em satisfazer seus eleitores, priorizando as localidades onde receberam mais votos.

— Eles têm de lembrar que todos nós representamos a cidade como um todo — sugeriu.

Para Viegas, 2019 será turbulento por anteceder um ano eleitoral.

— Agora as cobranças aumentam. Mas vejo com esperança o interesse que o divinopolitano tem demonstrado na política — destacou.

Para ele, não existem mais novatos, pois já se passaram dois anos de legislatura. Sua expectativa é que 2019 seja um ótimo ano para política local.

Já o novato Matheus Costa, disse à reportagem que confia que a cidade volte a crescer, gere emprego e seja a cidade protagonista do Centro-Oeste novamente.

Sobre seu papel legislando, Matheus revela querer fazer a diferença nas áreas que mais carecem de atenção na cidade.

— Que este colapso nas áreas fundamentais, como Educação, Saúde e infraestrutura, sejam resolvidos urgentemente. Vou dar o meu melhor para que a população tenha um bom 2019 e não passe novamente pelo que tem enfrentado — destacou.

Ele promete apresentar quatro projetos já na primeira semana:

— O primeiro é o “Seguro Garantia”, voltado para garantir entrega do início, meio e fim das obras e reformas pelo Executivo. O segundo é sobre o setor confeccionista e turismo comercial. O terceiro é voltado à causa animal. E o quarto é sobre a Parceria Público-Privada (PPP) em bairros industriais — explicou.

O presidente da Câmara, Rodrigo Kaboja contou que reassumir a presidência é um grande desafio. Ele também se diz grato aos vereadores e ao povo divinopolitano pela confiança.

— Eu ando pelas ruas, converso com as pessoas e sei que estamos em um momento de transição, enfrentando uma crise fiscal, econômica e social. Cito essas três áreas para dizer dos grandes desafios que o gestor público tem nos dias de hoje — salientou.

Assim como Viegas, Kaboja também destaca a pluralidade de ideias dos vereadores.

— É um espaço de ressonância, de valores e personalidades diferentes, mas com todos dedicados e voltados à disposição dos nossos munícipes. Por isso, para esse biênio que se inicia. Quero convidar toda população a participar, a interagir, a se fazer presente — declarou.

O presidente destacou que espera dar mais transparência, criar canais de diálogo e abrir as portas da Casa durante sua gestão.

— Posso dizer que nós vereadores faremos o enfrentamento da situação de achatamento, de crise, que vivemos. A Câmara está aberta a todos e fará os debates necessários visando à melhoria da qualidade de vida de todos os divinopolitanos — afirmou.

Projetos atrasados

A Câmara divulgou ontem que, já na primeira reunião, serão apreciados 13 projetos de lei, sendo cinco do Legislativo e oito do Executivo.

Conforme informou assessoria, na pauta completa dos projetos que já estão em tramitação, 55 propostas de lei são restantes do ano de 2018. São 30 do Legislativo, 15 do Poder Executivo, uma proposta de emenda à Lei Orgânica, um projeto de decreto, cinco projetos de lei complementar e um veto.

Além das matérias do ano anterior, ainda sobraram dois projetos que tramitam desde 2017, sendo eles: o Projeto de Lei EM 051/2017; a Proposta de Emenda a Lei Orgânica CM 006/2017; e o Projeto de Resolução CM 001/2017.

Comentários
×