‘Quem está gerenciando minhas emoções?’

Israel Leocádio

Olá! Como vai? Responda esta pergunta com sinceridade: quem manda nas suas emoções? Se você acredita que não tem controle sobre suas emoções, então, você faz parte de um grupo de pessoas que estão enganadas quanto a si mesmas. Somos os responsáveis por nossas emoções. As emoções não são conduzidas por uma espécie de “possessão”. É culpa nossa aquilo que sentimos. É escolha nossa!

A compreensão correta sobre as emoções e quem  as gerencia pode ser o ponto de equilíbrio para uma vida melhor. Em nosso tempo, a capacidade de controlar emoções conta mais a favor do indivíduo que a sua capacidade intelectual. Então, é importante saber administrar as emoções. E a Bíblia tem uma palavra de direcionamento quanto a isso. 

A orientação bíblica sobre o tema é que tenhamos o controle de nossas emoções, que sejamos líderes de nós mesmos. O salmista demonstra essa postura de gerenciamento emocional, a ponto de repreender sua alma, dizendo: “Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei” (Salmo 42.5). Por que o salmista acreditava no poder de sua autorrepreensão? A resposta está no mecanismo que desenvolve nossas emoções.

As emoções são resultantes de pensamentos, que, por sua vez, resultam em comportamento. Uma vez autorizados, os pensamentos conduzem a uma série de comportamentos que se tornam hábitos. Logo, se quero mudar meus hábitos, devo mudar meu comportamento. Se desejo mudar meu comportamento, devo buscar mudança de pensamento. Mudando minha forma de pensar, mudo minhas emoções. Esta é a razão de a Bíblia falar tanto sobre pensamentos.

A Bíblia ensina a assumirmos a direção de nossos pensamentos, porque isso resultará em mudança em toda a “cadeia de acontecimentos” que nos cerca. Assim dizem as Escrituras: Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2). Se não transformo minha mente, não transformo o mundo. Principalmente, o mundo mais próximo de mim. Porque meus pensamentos nortearão minha vida. Nenhuma mudança externa ocorrerá, sem que se inicie dentro de mim primeiro. É importante observarmos a forma como Paulo fala em sua carta. Ele diz: “transformem-se”. Isso é com você! Isso é mudança interior! Nada muda por fora, se não mudar por dentro.

Minha pergunta é: você já parou para considerar aquilo que você pensa? Você analisa o que pensa? Seus pensamentos estão abertos a mudanças? Meu conselho é que você experimente pensamentos novos nestes dias. Pensamentos relevantes, que possam transformar seus dias. Pensamentos alimentados por orientação do Senhor Deus. Que você siga conselhos que o conduzam à paz, esperança, fé (entre outros). Faça o que diz Provérbios 7.1: “Meu filho, siga meu conselho; guarde meus mandamentos como um tesouro”. Dê esta oportunidade de mudança a você mesmo. Mude suas emoções, mude sua vida, mude seus pensamentos. Seja o gerente de suas emoções.

Comentários
×