É para celebrar

É para celebrar

Sim, senhor. Não só de notícias ruins vive Divinópolis. Aliás, para os que acham que quanto pior, melhor, a cidade está afundada e sem saída. Politicamente, pode ser que sim, porém não se pode negar que a “Cidade do Divino” é uma referência no Estado e se destaca em diversos setores. E não é a coluna que está afirmando isso, apesar de concordar plenamente.  É que o ranking anual produzido pela Urban Systems Minas Gerais tem nove cidades entre as 100 melhores para fazer negócio no Brasil, e uma delas é Divinópolis. Precisa melhor notícia para fechar a semana?

Colocação

Uberaba lidera o interior mineiro e ocupa a 39ª posição. O salto é de 10 posições em relação ao ranking do ano passado.  Uberlândia, no Triângulo Mineiro, a exemplo de Uberaba, está no (46º) lugar. Depois aparecem Lavras, Sul de Minas (50º), Pouso Alegre, também Sul (56º), Poços de Caldas, mesma região (71º), Araxá, Alto Paranaíba (80º),  Divinópolis, Centro-Oeste (85º) e Patos de Minas, Alto Paranaíba (93º).  E não venha falar que a cidade está na penúltima posição. Figurar entre as oito já é uma grande vitória e um cala a boca para os críticos e incrédulos.

O ranking

O levantamento, divulgado na última semana, mostra Belo Horizonte como a cidade com o melhor resultado no Estado, ocupando a 7ª posição. No recorte que analisa o desenvolvimento econômico, a pesquisa considera 15 indicadores relacionados aos setores econômico, financeiro e de transporte das cidades. Alguns exemplos desses indicadores são: PIB per capita; crescimento de empregos formais; crescimento de MEI; gestão fiscal e crescimento de frota de automóveis. Isso significa que nossa economia não está tão estagnada.

Poderosa

Este resultado não foi a única boa notícia para nossa cidade. Uma reunião técnica nesta quarta-feira, 16, lançou o Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais e inclui Divinópolis. E o melhor, tem assinatura também de uma divinopolitana. Ela é a diretora-geral da Agência de Desenvolvimento da RMBH, Mila Batista Leite Corrêa da Costa, escolhida pelo governador Romeu Zema (Novo). Desde junho último, é uma das mulheres poderosas do governo. Além de Mila, que é sobrinha de José Elíseo Batista, maior conhecedor da economia divinopolitana, a caneta para autorizar o benefício foi usada pelo secretário de Infraestrutura e Mobilidade, Marco Aurélio Barcelos.

O plano

É composto por um portfólio de projetos priorizados para a implantação e operação de uma nova estrutura ferroviária no estado, o Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais (PEF).  Entre os temas a serem estudados destacam-se a construção do Ferroanel de Belo Horizonte e dos contornos ferroviários em Montes Claros, Juiz de Fora, Divinópolis e Itaúna. Reivindicação antiga, foi motivo de elaboração de projetos, mas nunca saiu do papel. Outros projetos serão mapeados durante a elaboração do PEF. Quem sabe a cidade não entra no item de conversão de linhas férreas desativadas para uso por transporte urbano de passageiros! Sonhemos e aguardemos.

Cansativo

Muito mesmo. O ritual que antecede a votação das denúncias contra o prefeito Galileu Machado (MDB) na Câmara. Ontem, por exemplo, foi um destes. Houve revezamento entre o 1º secretário, Renato Ferreira (PSDB), os vereadores Delano Santiago (MDB) e Janete Aparecida (PSD) para ler as 164 páginas do 5º pedido de impeachment contra o chefe do Executivo. Mesmo o presidente da Casa, Rodrigo Kaboja (PSD), tendo pedido a atenção e presença de todos os vereadores, a leitura teve que ser interrompida por fala de quórum. Decisão tomada sobre o voto ou desinteresse mesmo?

Tempo é tudo

Convenhamos, esse é o quinto pedido. Ainda bem que um deles não chegou nem a ser analisado, foi retirado por ter havido acordo entre as partes. Se for somar as horas de processos na Câmara, como impeachment e CPIs, o tempo de produção desta legislatura deixa muito a desejar.

 

Comentários
×