Álcool gel vencido e sem EPIs: Prefeitura de Divinópolis coloca em risco a saúde dos servidores, denuncia sindicato

Da Redação

A Prefeitura Municipal de Divinópolis está a todo momento orientando a população e os comerciantes da cidade através de decretos e restrição de circulação para medidas de proteção contra a disseminação do Covid-19. Mas, de acordo com o Sintram, na contramão do próprio discurso, vem colocando a saúde e a vida dos servidores públicos municipais e seus familiares em risco. Segundo o sindicato, faltam Equipamentos de Proteção de Trabalho (EPIs) no Serviço Municipal do Luto e na própria Secretaria de Saúde, linhas de frente da pandemia, que não podem parar as atividades.

Somado a isso, em um dos cemitérios da cidade, chegou denúncia ao Sintram de que a Prefeitura forneceu álcool gel vencido aos coveiros, que agora estão agora sem sabão para lavar as mãos e contam com material limitado como luvas e máscaras, " de maneira absurda e em total desrespeito", ressaltou o sindicato.

― Outra denúncia é a respeito de aglomerações para retirada de remédios, onde a Prefeitura não faz a fiscalização da distancia mínima entre os cidadãos, salas sem ventilação, ou seja, um série de denúncias que estão chegando ao sindicato, todos os dias. Neste sentido, a diretoria do Sintram oficiou nesta terça-feira, 24, o secretário municipal de saúde e coordenador do Comitê de Enfrentamento da Crise, Amarildo Sousa, o procurador do município, Wendel Santos, a secretária de administração, Raquel Oliveira Freitas, e a secretaria Semop, Cláudia Machado, sobre a situação, que o sindicato já havia enviado solicitação, mas que não foi resolvida ― afirmou a entidade.

A situação no serviço do luto também é crítica, de acordo com o Sindicato. Falta material específico para proteger os trabalhadores, e a entidade, em ofício e inúmeras ligações, cobrou a regularização da situação.

― Temos recebido denúncias dos trabalhadores, que não têm material específico para protegê-los diante da pandemia do Covid-19. Dessa forma, o sindicato solicita a atenção especial da secretaria para providenciar o fornecimento de luvas, máscaras, macacão descartável, avental, touca, botas, óculos etc., todo o material necessário e específico durante essa pandemia. Alem disso, a higienização constante e assepsia do local, evitando qualquer prejuízo a saúde de nossos servidores ― disse o sindicato no ofício à secretária Cláudia Machado.

Posicionamento

Desde a semana passada a diretoria do Sintram vem encontrando em contato com o secretariado e oficiou o Município, mas os servidores informaram que a situação permanece a mesma. Agora a diretoria vai oficiar o Ministério Público sobre essa atitude da Administração que coloca em risco a saúde e vida dos servidores.

Comentários
×