‘Casa’

Israel Leocádio 

Olá! Como vai? Acredito que não há como deixar de acompanhar os últimos acontecimentos catastróficos em consequência das fortes chuvas no nosso estado e em alguns outros estados da República. É realmente muito triste e impactante! É chocante, embora seja uma tragédia anunciada, ano após ano. Pessoas (de maioria humilde) perdendo os bens que lhes oferecem um pouco de conforto em meio à luta diária. O que é mais importante, perdendo o seu lar, construído ao longo de anos de esforço. Isso deve comover qualquer indivíduo que acredite carregar um pouco de Deus em si.

Perder a casa. Aí está um ponto importante. Não importa se o local é pequeno ou grande, luxuoso ou simples, em bairro nobre ou numa simples comunidade. No local onde moramos, quando o definimos como “lar”, todos os fatores espaciais, geográficos e que ofertam alguma beleza são os que menos importam. Porque não há nada mais agradável que retornar para o lar. Muitos possuem uma “residência”, outros uma “casa ou apartamento”, não é disso que estou falando! Refiro-me a voltar para o “lar”. O “lar” é o lugar que dá sentido para uma série de outras palavras, como: “meu espaço”, “lugar de descanso”, “minha privacidade protegida”, “segurança”, “conforto para o corpo e descanso para alma”. O lar não é um lugar. Lar é porto seguro, estado de espírito.

Você já teve a oportunidade maravilhosa de conhecer lugares incríveis? Isso é pessoal. Deus já me proporcionou oportunidades assim. Pude conhecer lugares que estavam presentes em meus sonhos, mas nunca permiti que caminhassem longe demais, a ponto de entrar em meus planos, para não viver frustrações. Porém, há uma promessa de Deus que transformou meus “lugares dos sonhos” em realidade. É a promessa que diz: “Alegra-te no SENHOR ele te dará o que deseja o teu coração” (Salmo 37.4). Como Deus não mente, fui a vários lugares especiais. Entretanto, mesmo sendo lugares especiais e incríveis em beleza e esplendor, o conforto de retornar para o “lar” é o complemento de uma viagem perfeita. Então, curtimos os lugares, aproveitamos os restaurantes, passeamos, mas o fechamento (a meu ver) se dá exatamente em casa (quando esta é um lar). Logo, ver as pessoas perdendo essa referência é triste! As pessoas não estão perdendo valores aplicados em alvenaria e acabamento, estão perdendo a referência de lar.

Como já disse: “isso é trágico e triste”. Entretanto, com renovação das forças (natural ao povo brasileiro), podemos reconstruir, podemos refazer, podemos reedificar. Claro, salvo as respectivas questões irreparáveis. Mas podemos refazer o lar. Oro para que todos os atingidos possam fazê-lo!

Antes, permita-me fazer uma colocação (aparentemente contraditória) que habita em minhas emoções. Acredito que moro em um “lar”. Sinto que estou cercado por pessoas que amo e são amadas por mim, e que esse ambiente favorece a criação da atmosfera de lar, ao qual me referi. Esse é o sentimento que carrego quanto à minha casa, onde moro com esposa e dois filhos incríveis. Porém, em minh’alma não me sinto seguro em dizer que vejo este mundo como meu lar. Não consigo ver as características presentes em um lar neste mundo. Não me sinto seguro. Não me sinto confortável. Não sinto que seja meu lugar. Não sinto haver esperança de mudanças para melhor. Não sou um pessimista determinado. Apenas, não sinto que aqui seja meu lar. E acredito que muitos outros indivíduos carregam esta mesma sensação quanto a este mundo.

Uma pessoa que trouxe forte este sentimento em seu coração foi o apóstolo Paulo. Ele chegou a dizer: “desejo partir estar com Cristo, o que é infinitamente melhor” (Filipenses 1.23). Este é meu desejo! Talvez o de muitos.

Mas Paulo não carregou este desejo a partir de uma reflexão filosófica das mazelas do mundo. Não! Antes, Paulo foi impactado pela palavra de Jesus de Nazaré, que afirmou, numa oração ao Pai: “Mas, agora, vou para junto de ti e isto falo no mundo para que eles tenham o meu gozo completo em si mesmos. Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou” (João 17.13-16). A promessa de Jesus, feita após sua ressurreição, de que iria preparar lugar para os seus discípulos na casa do Pai (João 14.2), é a resposta do próprio Filho de Deus a todos os que não conseguem ver este mundo como “seu lar”. Ainda que cheios de belezas naturais, riquezas e lugares paradisíacos. Há um lugar onde todos os atributos que compõem a perfeita definição de lar estão reunidos. E é este o verdadeiro lar aguardado. Lá sei que estarei seguro. Lá sei que descansarei das lutas e mazelas desta “passageira e intensa vida”. Quando ali chegar, poderei deixar “toda bagagem na sala” e descansar desta viagem. Sei disso, porque a casa eterna que pertence ao Pai é um verdadeiro lar. Que vontade sinto de voltar para “casa”!

 

Israel Leocádio

Comentários
×