‘Cantos de meu tempo’ é o 1º livro de Cláudio Guadalupe

Da Redação 

O gosto pela música e literatura presente na vida de Cláudio Guadalupe o levaram a colocar tudo no papel. “Cantos de meu tempo”, primeiro livro do servidor municipal, une as duas paixões, trazendo poemas críticos, de cunho social. O lançamento será hoje, via Instagram da Boutique do Livro, a partir das 19h.  O autor conta que, para brindar o momento, poesia e música estarão unidas numa boa conversa literária com nomes de grande atuação na cultura divinopolitana.

Cláudio Guadalupe revela que desde a década de 70 cultiva o hábito de escrever poemas e letras de música.  A divulgação do dom da escrita, por meio da produção de um livro, foi incentivada por um colega de trabalho. 

— O João Carlos, que é um servidor da biblioteca, me questionou: “Por que você não faz um livro? Você escreve tão bem”. E fizemos, produzimos esse livro. São 67 poemas com cunho social, político, voltados para as questões que estamos vivendo, por isso o título “Cantos de meu tempo” — explicou Cláudio.

Livro 

O servidor conta que o volume busca contribuir para a “resistência” frente aos atuais acontecimentos no Brasil.

— Nós estamos vivendo uma época que está difícil. O governo federal escolheu a educação e saúde como inimigos, então estamos resistindo, e a resistência é participar de movimentos culturais, políticos da cidade. No ano passado, integrei o Arteferia. Devido à pandemia não estamos fazendo as intervenções nas ruas, mas virtualmente estamos dando continuidade a esse trabalho, criamos inclusive um blog para transmitir as mensagens. E, a partir dessa integração com Arteferia, de fazer poesia de rua, assumi mesmo a ideia de escrever e produzir o livro — disse.

Guadalupe afirma que recebeu apoio de colegas para concretização do projeto, aos quais faz questão de manifestar gratidão. 

CD

Cláudio conta que um CD acompanha o livro, traduzindo essa forte ligação entre música e poesia tão presente na obra. Revela que no CD estão músicas de sua autoria e poemas de Roseana Murray  e do poeta divinopolitano Júlio Régis. 

— O CD é produzido por mim e pelo Grilo, que é músico aqui da terra, meu maestro. Vamos produzir um CD com cinco músicas. São músicas minhas, que têm esse caráter mais poético. Um das músicas é “Quantas Mulheres”, que é um poema da Roseana Murray. Tem “Tremor”, “Língua da Terra”, que são minhas. “Em mim”, que é um poema do Júlio Regis, que é grande poeta de Divinópolis, entre outros — explicou.

Lançamento

Durante o lançamento será promovida uma conversa literária, com poemas e música, sendo que estarão presentes muitos convidados, incluindo os participantes na obra.

— É uma produção independente, até cheguei a procurar editora, mas o valor estava muito alto para publicação. A poesia já é um gênero de resistência por si só porque a prosa, o romance tem  mais acesso, as pessoas gostam de ler mais. Falo isso porque eu trabalho na biblioteca, eu sei como que é — completou. 

O autor estará disponível no espaço, após o lançamento do livro, que poderá ser adquirido diretamente com ele, na Biblioteca Ataliba Lago. 

Comentários
×