'Agosto Lilás' leva prevenção da violência contra mulher às ruas

Ações serão realizadas durante todo o mês; suspeito de matar jovem de 19 anos está preso

Da Redação 

O assassinato de uma jovem de 19 anos na madrugada da última quarta-feira, 5, no bairro Santa Lúcia em Divinópolis, só comprova a covardia do crime de feminicídio, que não para de crescer. A prática, que se tornou mais frequente no Brasil nos últimos anos, tenta ser barrada pelas autoridades de segurança adotando medidas como a protetiva, mas que não tem inibido os agressores.  Neste último na cidade, informações colhidas pela Polícia Militar mostram que o assassino invadiu a casa enquanto a jovem dormia e efetuou pelo menos seis disparos de arma de fogo. A mãe de Julia Maria de Souza Vieira, 19 anos, disse ter acordado com os disparos. Porém, para que ocorrências como estas não continuem sendo registradas, as polícias têm intensificado os trabalhos, especialmente, o preventivo. Depois das ações da Civil, a Militar está nas ruas levando informações neste sentido. Trata-se da Patrulha de Prevenção à Violência Doméstica (PPVD).

Agosto Lilás 

Militares do 23º Batalhão que trabalham nesta investida iniciaram nesta semana as atividades da campanha “Agosto Lilás”.

Agosto foi escolhido pelo fato de a Lei Maria da Penha fazer aniversário no mês, aliás, hoje, dia 7.  Já são 14 anos da implantação da lei federal que tenta combater a violência contra a mulher. A data tornou-se um marco jurídico de conscientização à denúncia e mobilização da sociedade para coibir todas as formas de violência contra a mulher.

Neste sentido, militares da PPVD realizaram na última terça-feira, 4, reunião na Defensoria Pública, reforçando os laços com parceiros da Rede de Proteção. Além disso, promoveu a distribuição de panfletos informativos na área Central de Divinópolis, em um gesto de mobilização social para a causa.

Durante todo o mês, além das visitas e acompanhamentos rotineiramente desenvolvidos pela PPVD, serão realizadas diversas ações, inclusive em conjunto com outros órgãos, fomentando atos de prevenção aos crimes. 

Suspeito preso

Os depoimentos de uma vizinha e da mãe da jovem foram cruciais para se chegar ao suspeito do feminicídio. Ela disse ter visto um autor chegando em uma moto e deu a descrição dele. Já a mãe revelou que, no dia anterior, um rapaz com as mesmas características teria ido até sua casa para se encontrar com a filha e que seu nome seria Talles. O sobrinho da vítima, de sete anos, que dormia ao seu lado, viu toda a ação e disse que o autor seria  parecido com o rapaz informado pelas testemunhas. 

No mesmo dia, só que à noite, durante rastreamento, equipes da 240ª Companhia da PM, com os levantamentos em mãos, receberam informações de que o suspeito Talles Almeida de Oliveira, 18 anos,  estava escondido em uma mata próximo ao campo Salgadão, no bairro São Sebastião. 

A equipe policial, que teve o apoio também do Tático Móvel e CPU, fez o planejamento tático, deslocou ao local e realizou o cerco. Ao entrar na mata, o acusado correu, mas foi acompanhado, contido e preso. 

Foi levado à delegacia de Polícia Civil, onde foi autuado. 

Comentários
×